Desigual.


photo Ligaliterária

Eu não sou você.
Não sinto como você.
Nem andei nas mesmas ruas ou entrei nas mesmas casas por onde você passou.
Nossos pratos eram diferentes.
Desconheço os sabores, os gostos, os aromas ou a fome que preencheu sua vida.
Sua língua aos meus ouvidos é incompreensível. Suas palavras e intenções são somente sons. Toda sua poesia e cultura não passam de ruídos indecifráveis. Todos os seus sentimentos não existem em meu dicionário.
Seu sexo, desejo e prazer não tocam meu corpo.
Minha verdade é diferente da sua.
Meu caminho não é o mesmo que o seu.
Minha fé é alheia para você.
Meu Deus é um desconhecido seu.
Posso até dividir minha nacionalidade com você.
Mas não tenho seus olhos, cabelo ou pele.
Não tenho seu sotaque. Falamos de formas diferentes sobre as mesmas coisas.
Não carrego sua combinação em meu sangue.
Eu não quero ser igual a você.
Eu não preciso ser igual a você.
Eu sou diferente de você e de qualquer outro ser vivo.
Existo como um fato único. Não preciso da sua cor para ser bonito, da sua língua para ser compreendido, nem de seu deus para ser amado.
Eu...não sou... você.

E apesar de tudo isso que nos torna distintos.
De cada uma de nossas diferenças.
Eu respeito o que e quem você é.
Não tenho o direito de ignorar, subestimar ou condenar seu corpo, nem sua alma.
Você não tem esse direito. Isso nos une.
Não tenho o direito de obriga-lo a enxergar o mundo através dos meus olhos. Seguir meu deus ou honrar meus preceitos. Meus ideais de perfeição.
Você não tem esse direito. Isso nos une.
Não tenho o direito de reduzir, odiar, abusar ou limitar você por conta da cor da sua pele, língua, país ou fronteira.
Você não tem esse direito. Isso nos torna iguais.
Eu não preciso ser igual a você para ser respeitado.
Você não precisa ser igual a mim para ter meu respeito.
Não somos iguais.
O segredo que parece ser invisível para todas as cores diferentes de olhos e que deve ser revelado...é que não precisamos ser iguais para existirmos juntos.



...

Comentários

Zé disse…
Moacir.
Além da beleza e grandiosidade do texto, que trata de um tema que é no mínimo necessária uma discussão permanente; Veio de brinde essa bela fotografia de um enquadramento perfeito e sutil, que capta toda a poesia do instante.
Abraço ligajoso.