Instante




Lusco-fusco

Dizem que durante o lusco-fusco é que acontecem as mudanças mais perceptíveis no comportamento das pessoas e de todos os animais. Sempre acreditei nisso, principalmente por ter passado metade da minha vida no interior, onde a natureza se apodera das coisas de maneira fabulosa e total neste horário. Lembro-me do alvoroço dos pássaros, quando ia todos os dias a uma cachoeira próxima à minha casa para minhas viciantes leituras pós-trabalho. Os pássaros não tinham a menor cerimônia em mostrar seus rasantes ultra-rápidos sobre mim, que inicialmente me deixavam com medo, mas depois me divertiam. O barulho da água também parecia se modificar e dependendo da leitura que eu fazia, isso acabava ficando um tanto amedrontador, mas com o passar do tempo isso tornou as coisas ainda mais irresistíveis e acabou virando o meu lugar predileto de leitura. Como sempre, buscava os lugares mais silenciosos e vazios e toda essa manifestação da natureza me trazia uma porção de coisas boas e acabava ficando até a total escuridão invadir todos os espaços. Não fico nostálgico diante destas lembranças, já que continuo tendo este horário como um dos momentos prediletos do dia, pois a sensação fantástica da escuridão invadindo suavemente o brilho do dia e suavizando-o, é a mesma e talvez mais intensa que aqueles dias. O ápice é quando não sei mais se a noite invadiu o dia ou se o dia prolongou-se na escuridão. Toda essa opacidade dá uma coloração a todas as coisas que é tão maravilhosa quanto o amanhecer, mas é diferente.
Hoje senti essa mudança produzida pelo lusco-fusco de uma maneira como nunca tinha visto antes, ela veio carregada de uma urbanidade que somente essa cidade que amo tanto quanto a que nasci, pode oferecer. Acabara de ler o capítulo de um livro e coloquei-o ao lado para que o momento me invadisse por completo, nesse instante minha cachorra pulou sobre minhas pernas e ficou a visualizar os inúmeros odores que a faziam flutuar, a rua estava silenciosa após alguns barulhos de rojões por causa de algum jogo de futebol. Meus olhos se surpreenderam com o aparecimento de um cavalo, uma mulher e uma criança subido a rua, não que isso seja surreal, mas nunca havia visto um cavalo na minha rua. O cavalo não era um cavalo bem cuidado, pois mesmo à distância percebia-se sua magreza, mas seu trote não deixava a desejar e subia a rua com altivez. A mulher um pouco apressada fazia a criança correr a contragosto. Um automóvel subia a rua atrás do cavalo buzinando e acendendo o farol, algo completamente desnecessário já que a rua é larga e não havia movimento algum, podendo o motorista desviar facilmente e seguir adiante, ele fez isso, mas para falar alguma coisa à mulher e foi embora.
A partir deste momento é que as coisas começaram a se modificar, a mulher, a criança e o cavalo estavam quase virando a esquina quando muitas pessoas começaram a subir a rua, pensei em se tratar de um grupo de pessoas conhecidas, pois praticamente estavam juntas, mas de repente se dispersaram e foi cada um para um lado, alguns cachorros começaram a latir, vários automóveis surgiram do nada, as crianças que brincavam quase em silêncio puseram-se aos gritos e muitos outros cachorros começaram a latir. Isso tudo durou uns cinco minutos e logo depois a rua ficou em silêncio novamente e eu senti a escuridão lentamente deitar sobre todas as coisas engolindo este momento simples e mágico do dia.

Ninil-Zé


Comentários

J. Lopez disse…
Incrível o ritmo que vc deu ao texto, num tema tão simples, uma linguagem rica, uma escrita maravilhosa! Iluminou meu dia, Ninil...
Parabéns!
Beijo!